Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/12/15 às 18h47 - Atualizado em 4/01/19 às 10h07

Arquitetos, urbanistas e representantes do mercado imobiliário discutem Habita Brasília

Encontros têm por objetivo construir colaborativamente um modelo de política habitacional diversificado

A Secretaria de Gestão do Território e Habitação (Segeth) discutiu, na quarta (9) e na quinta-feira (10), com entidades de arquitetura, urbanismo e do mercado imobiliário os eixos temáticos da nova política habitacional que está sendo construída para o Distrito Federal, o Habita Brasília. O projeto tem o objetivo de reduzir o déficit habitacional na cidade, que atualmente é de 120 mil residências.

Na quarta-feira, no Instituto de Arquitetos de Brasília (IAB), a secretaria ouviu as proposições de arquitetos, engenheiros e urbanistas. Já na quinta-feira foi a vez de colher as contribuições do setor produtivo, em reunião no auditório do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-DF) e com a participação e Associação das Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-DF). Anteriormente, no dia 18 de novembro, o modelo foi discutido com entidades de luta por moradia, em reunião que contou com a participação do governador Rodrigo Rollemberg.

Os eixos do Habita Brasília são a venda de lotes em locais urbanizados e com infraestrutura, a intensificação do fornecimento de assistência técnica, a locação social, a instalação de edifícios mistos com comércio e moradia e o programa Morar Bem, que é vinculado ao Minha Casa, Minha Vida do governo federal.

Grupo de Trabalho

Durante a reunião no Sinduscon, o secretário Thiago de Andrade enfatizou que os encontros têm por objetivo construir colaborativamente um modelo de política habitacional diversificado, que não se limite à provisão de unidades habitacionais e que tenha viabilidade econômica – sobretudo no atual cenário, de redução de investimentos.

“Os caminhos trilhados até aqui têm seus méritos, mas é preciso avançar e pensar em construir cidades. Não é possível continuar construindo casas em locais distantes onde a população não tem acesso a serviços públicos”, explicou.

O presidente do Sinduscon-DF, Luiz Carlos Botelho Ferreira, parabenizou a iniciativa do governo de dialogar e ressaltou a importância do trabalho de fiscalização que tem protegido áreas de mananciais de parcelamentos irregulares. Na ocasião, o secretário Thiago propôs a criação de um grupo técnico de trabalho para avaliar as sugestões dos setores para possíveis parcerias sobre inserções de capital privado viabilizando projetos habitacionais para famílias na menor faixa de renda.

Debate no IAB

Para o presidente do IAB-DF, Matheus Seco, o debate é fundamental para os profissionais do setor. “É muito positivo esse canal de conversa. Os arquitetos têm como contribuir com esse debate. Não há uma fórmula pronta; então essa troca que a Segeth tem promovido, e a partir disso tirar uma visão para o bem comum, é bem produtiva”, destacou.

No encontro promovido no IAB, o secretário destacou que não se pode resumir o direito à moradia ao direito à propriedade e que o Habita Brasília priorizará a moradia em diferentes modalidades, reduzindo assim o tempo de espera para ter acesso à habitação. Thiago ainda afirmou que o programa Morar Bem tem sido fortalecido pela oferta da assistência técnica por parte da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab), vinculada à Segeth.

Com o programa, técnicos da companhia auxiliam moradores de áreas de interesse social a promover mudanças nos projetos arquitetônicos, de modo a garantir atenção às normas mínimas de segurança para habitação. “Os postos de assistência técnica da Codhab estão em funcionamento desde abril e apresentam bons resultados. Precisamos retomar a capacidade de o estado fazer projetos e não somente administrar os contratos sobre projetos que são elaborados por arquitetos externos à administração”, ponderou Thiago.

Mais informações

Facebook: sec.territorioehabitacaodf

Twitter: @Habitacao_DF

Youtube: Segeth Ascom

Web: www.segeth.df.gov.br