Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/04/16 às 22h31 - Atualizado em 4/01/19 às 9h48

Conclusão da primeira ciclofaixa de Águas Claras está prevista para esta semana

COMPARTILHAR

Sinalização contempla parte da Avenida Araucárias. Projeto Mobilidade Ativa pretende incentivar uso da bicicleta e deve se estender a todas as regiões por onde passa o metrô

Está previsto para esta semana o término da pintura na primeira ciclofaixa de Águas Claras, ao longo de 3,8 quilômetros da Avenida Araucárias. A sinalização, a cargo do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF), é apenas o início do projeto Mobilidade Ativa, que deverá chegar a todas as regiões por onde passa o metrô.

O programa começa em Águas Claras devido à facilidade do uso da bicicleta na região e à demanda dos ciclistas que trafegam por lá, e Ceilândia, Guará, Plano Piloto, Samambaia e Taguatinga também receberão as intervenções. A implementação envolve ações da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), do Detran-DF e das Secretarias de Mobilidade e de Gestão do Território e Habitação.

Por meio do projeto, a Diretoria de Mobilidade da Secretaria de Gestão do Território e Habitação estabelece um complemento na malha cicloviária do Distrito Federal. Os parâmetros seguem os conceitos de ruas compartilhadas (pedestre, carro, moto e bicicleta), de zonas 30 (via local com velocidade inferior a 40 quilômetros por hora e onde veículos motorizados e não motorizados dividem o mesmo espaço), de passeios compartilhados (entre pedestres e ciclistas), de ciclofaixas e de ciclovia segregada (quando não há qualquer contato com outros veículos).

A diretora de Mobilidade, Anamaria de Aragão Costa, afirma que é preciso repensar a forma de utilização dos meios de transporte. “Para termos uma cidade mais sustentável temos de focar esforços na facilitação dos deslocamentos a pé e com bicicleta”, propõe. “Essa ligação com as estações de metrô pode proporcionar melhoria em todo o sistema de trânsito do Distrito Federal, já que um maior uso dos transportes de massa é o que pode retirar a grande quantidade de carros nas ruas.”

Pesquisa

Um estudo feito pela pasta serviu de subsídio para a expansão da área de abrangência das estações de metrô em direção aos chamados polos geradores de viagens de impacto regional — pontos de grande circulação e encontro de pessoas. Isso será possível com a implementação de alternativas de mobilidade ativa, como as ciclofaixas, para que sejam incentivados outros meios de transporte.

Além de um levantamento das características urbanas, foram analisados percursos em um raio de 5, 10 e 15 minutos de cada estação. Com isso, a bicicleta ganhou importância nos acessos ao metrô e no deslocamento em direção a pontos como hospitais, universidades, centros comerciais, instituições e centros culturais.

Avenida Castanheiras

Nessa primeira etapa do Mobilidade Ativa, serão 7,8 quilômetros de via para a circulação de bicicletas, dos quais 3,8 quilômetros na Araucárias. A Avenida Castanheiras em Águas Claras deve ser a próxima a receber a ciclofaixa e em seguida vias secundárias, como as Avenidas Boulevard Sul e Norte.

A pintura na via está prevista para começar assim que for concluída a recuperação do asfalto. Os viadutos em construção — que vão interligar a Rua 37 Norte à 37 Sul; a 36 Norte à 36 Sul; e as vias internas da região à Rua Manacá e à Rua Alecrim —, todos por cima dos trilhos do metrô, também deverão receber as ciclofaixas.

Legislação

Desde 10 de março, todas as novas obras de construção, ampliação ou adequação do sistema viário de Brasília deverão ter, especificado em projeto, a previsão de criação de ciclovias, ciclofaixas ou infraestrutura viária. Houve uma modificação do texto da Lei nº 3.639, de 2005, que estabelecia a regra apenas para rodovias.

A legislação determina ainda que a construção de ciclovias seja prioridade. Caso não seja viável, as ciclovias poderão ser substituídas por ciclofaixas.

Velocidade

Desde o fim de março, as duas principais avenidas de Águas Claras — Araucárias e Castanheiras — tiveram alteração de velocidade. Agora, a máxima permitida é 50 quilômetros por hora, no lugar de 60 quilômetros por hora.

De acordo com o Detran-DF, a mudança foi feita para que carros, motos e bicicletas transitem de forma mais segura, nas vias. As placas de trânsito foram trocadas e a fiscalização eletrônica será ajustada.

Fonte: Agência Brasília

Siga nossas redes

Facebook: sec.territorioehabitacaodf

Twitter: @Habitacao_DF

Youtube: Segeth Ascom

Web: www.segeth.df.gov.br