Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/10/13 às 18h55 - Atualizado em 3/01/19 às 14h40

Patrimônio histórico: GDF entrega igreja restaurada com dinheiro do Fundurb

COMPARTILHAR

O Governo do Distrito Federal entregou nesta segunda-feira (14) a restauração da igreja São Sebastião, em Planaltina, construída por escravos em 1890 e tombada em 1982 pelo Patrimônio Histórico e Artístico do DF. A restauração custou R$ 516 mil e foi paga com dinheiro do Fundo de Desenvolvimento Urbano do DF, o Fundurb, administrado pela Secretaria de Habitação, Regularização e Desenvolvimento Urbano, a Sedhab.

Apesar do tombamento, a igreja estava em péssimo estado de conservação, com ameaça, inclusive, de desabar, pois as administrações anteriores do GDF pouco ou nada fizeram por um dos bens culturais mais valiosos de Planaltina. O projeto de restauração do arquiteto Rogério Carvalho, executado pela Secretaria de Cultura, foi feito  a partir de uma pesquisa histórica e conseguiu deixar a igreja igual a como ela foi erguida no século 19. Entre os aspectos originais está o piso de madeira, que substituiu o de tijolos posto em uma reforma feita nos anos 1980. As paredes de adobe foram fortalecidas com terra vermelha, areia e cal. Para afastar o risco de desabamento, dois cabos de aço foram postos de maneira cruzada em cima do altar. Eles vão de ponta a ponta da igreja segurando a estrutura, que ameaçava se partir em duas.

A restauração começou em janeiro e recebeu do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Iphan, o certificado de boa técnica de construção e de restauro adequado. A madeira usada na obra é certificada pelo Ibama.

Na solenidade de entrega da restauração, o secretário de Habitação Geraldo Magela informou que o dinheiro do Fundurb será liberado também para recuperar as imagens que ornamentam a igreja. “O que nós estamos fazendo é resgatar a história de Planaltina para os jovens da cidade”, destacou Magela, lembrando que a igreja de São Sebastião está no roteiro turístico de DF. “E nós queremos trazer turistas não apenas do Brasil, mas também do exterior”, acrescentou o secretário.

O templo não servirá apenas de ponto turístico. Suas portas continuarão sendo abertas para casamentos, batizados e missas eventuais. A dona de casa Maria do Carmo, por exemplo, faz bodas de ouro daqui a quatro anos e pretende celebrar a data na igreja, que foi palco de seu casamento e do batizado dos filhos. Ela, que frequenta a igreja desde 1964, aprovou a restauração. “Está parecendo uma mocinha bem cuidada”, comenta, rindo.

Outras duas igrejas históricas do DF estão sendo recuperadas com dinheiro do Fundurb: São Geraldo, no Paranoá, e São José Operário, na Candangolândia. Esta última deverá ser entregue no dia primeiro de novembro. O fundo já havia contribuído com R$ 3 mi para a reforma do Cine Brasília.